… _____ ainda há goivos e anémonas

 

” cheguei há pouco do amor(cidade de gaivotas loucas e luzes cegas).”

João Luís Barreto Guimarães

    ….  _______________

quantas vezes se diz  adeus?!    senta  .se na incerteza de um lenço sob este azul magoado  .

 a cidade estremece à voz do barqueiro.  sobre  a terra  o sol crepita lentamente o último sono  . há vozes que chegam da lonjura do olhar  . parecem domesticadas como os gatos  que  se acostam ao gesto distraído do dono.  . a tarde faz  .se devagar sobre a sua  pele veste  .se da hegemonia da luz  e carrega  as palavras de um livro pousado  ao acaso  sobre a mesa.

 a varanda  é feita de poentes onde a água treme  ao soluço dos naufrágios  . a buganvília não floriu  .talvez a fome a desbaste até à extremidade da raiz  .talvez o sódio das paredes se entranhe pelo caule  . mas há goivos e anémonas ateados a sílabas antigas  .de um fulgor absoluto  .passa um pássaro atravessado de luz  .desmesurado e excessivo na boca do sol  . acerta o olhar sobre o tempo dos barcos  .  do mistério nunca desvendado da canção dos búzios e adormece  nos ponteiros da tarde  .

um desvario de asas agiganta  .a  de espanto  . pouco a pouco  percebe  . a nudez inocente do azul é engolida ao pronunciar da sombra  . entra. já não há livros para escrever  . dói  .lhe a casa na palidez do branco  . a gata permanece imóvel à habituação das mãos  . finge a serenidade dos lugares desprovidos de paixão  .

quantas vezes um lenço se agita à janela da alma?!… ao regresso alarmado dos pássaros   recomeça a escrever… e os goivos  estremecem desde o chão  .

 

Anúncios

~ por oecodospassos em Abril 12, 2010.

6 Respostas to “… _____ ainda há goivos e anémonas”

  1. muito bonito , como sempre…

    beijinhos

  2. murcham os goivos e as anémonas, tão fragéis .-se ao inesperado dos ventos .
    celebra-se a ironia do verão .o tempo solar e este ópio de dor que não morre em setembro .
    são agudas as horas. e eternas .como um espinho cravado na garganta do mar .

    feliz pela sua trajectoria por cá…

    deixo .lhe um beijo

    asíul

  3. apenas para que saiba….
    passo sempre por cá, normalmente suas palavras soam em mim como eco_____________habitualmente me identifico na semântica dos seus escritos, sei também que de facto ultimamente raramente assinalo esta minha passagem … simplesmente porque andam ausentes as palavras de mim.

    De facto a ironia do verão enche.nos o dia de luz, mesmo com dor , tento esboçar um sorriso de gratidão pela dádiva de ainda persistir…

    obrigada pelas suas palavras,

    um beijo

  4. obrigada @eu

    pelas palavras e pela constãncia.

    um dia deixarei que a febre das palavras me abandone . terei então encontrado uma casa de silêncio maior.

    as horas são longas para entreter o coração. 11 de dias que se alongam quando as sombras se pronunciam mais densas. por isso menos visível por aqui. ainda assim este blogue é ainda árvore de uma raíz que não morre.

    exausta vou consumindo restos de um doce veneno que me alimenta a insónia.

    um beijo. fique bem.

    asíul

  5. Não!!! não deixe que as palavras se ausentem de si, seria um talento desperdiçado, uma perca irremediável para todos nós!!
    Pense em escrever, editar um livro…e não se esqueça de nos convidar para a sessão de lançamento!

    um beijo e força,,,

  6. 🙂
    deixo-lhe um beijo.

    asíul

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: